HOMENAGEM PÓSTUMA AO POETA CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
Humberto Braga

Senhor Presidente,

É óbvio que Carlos Drummond de Andrade foi uma das mais altas figuras da literatura nacional. Eu digo da literatura, porque e mais frequente dizer da poesia e, na realidade, ele, como prosador, não ficou abaixo do poeta; foi tão grande prosador como poeta.

Eu nao sou a pessoa qualificada, apesar da generosidade do nobre Conselheiro Erasmo Martins Pedro, para fazer uma análise da poesia de Drummond, tanto mais quanto de uma parte dela o sentido me escapa, por aquele caráter de hermetismo, de incomunicabilidade, ou de quase incomunicabilidade que é uma característica dos poetas modernos. Eles cultivaram mesmo esse hermetismo, por isso mesmo que julgaram que a linguagem da poesia é uma linguagem indefinível, uma linguagem que não é passível de ser submetida às regras da lógica; enquanto que a prosa obedece a um encadeamento lógico, a poesia... tem um curso mágico, e essa magia pertence a um mundo de indefinição, de difícil comunicação e quase hermetismo.

Então, indevidamente, eu acho, eu vejo, na poesia de Drummond um caráter sobretudo intelectualista. Ele foi um poeta em que a inteligência, em que a razão prevalece, prepondera sobre o sentimento, que dá a impressão, muitas vezes, de uma poesia extremamente difícil, porque é uma poesia intelectualista. Isso aconteceu na esteira do movimento também modernista, como reação àquele sentimentalismos extremo dos românticos, àquela lacrimosidade, àquela superabundância de afetividade que foi uma caracteristica da poesia romântica onde quase sempre a tônica era no exagero, no desnudamento sentimental, na revelação das próprias mágoas, das próprias dores, o dolorismo, enfim. Drummond discrepa dessa linha e se apresenta numa totalmente inversa. Eu, se tivesse que compará-lo com alguém, não o compararia a outro poeta e sim a um prosador. Ele me parece, por exemplo, um "pendant", poético de Machado de Assis, pela discrição, pela ironia, pelo pessimismo, pelo cepticismo. Eu vejo muito, nessas poesias, ironia , até mesmo um certo acanhamento, um certo retraimento. Lembre-se aquele famoso verso, no qual ele se dizia "Gauche" na vida. Mas, não há dúvida de que ficará como um dos grandes marcos da nossa poesia, sobretudo por ter cultivado todos os assuntos; nunca cultivou a poesia demagógica, a poesia declamatória; apenas durante um certo tempo na "Rosa do Povo", em algumas outras produções, e que apareceu como poeta engajado, versando temas ideológicos. Ele nunca foi um poeta desse tipo, foi muito mais um intimista. Mas não há dúvida de que percorreu todas as gamas poéticas, sempre com originalidade, sempre com encanto, sempre com beleza.

Não sei que influência se terá feito sentir sobre Drummod como poeta. Sei que ele influenciou uma quantidade imensa de beletristas brasileiros e eu acredito que o continuará influenciando. Não sei se isso é bom. Oscar Wilde dizia que não há influência boa, toda influência é negativa, por isso que impede a manifestação da própria personalidade do artista, fazendo calcar sua produção pelas pegadas de outro.

De qualquer maneira é um vulto gigantesco da nossa inteligência, das nossas letras, que não deixará apagar o seu traço; é um daqueles que ficarão, sem dúvida nenhuma, entre as figuras exemplares da grandeza intelectual de nossa terra.

TRIBUNAL DE CONTAS, 18/08/1987

 
artigos | discursos | sobre HB
Aposentadoria de um Guerreiro
1997

Agradecimento do Conselheiro Humberto Braga ao Presidente Conselheiro Sérgio Quintella, pelas palavras deste sobre seu aniversário.
10/10/1995

Realizações de Humberto Braga
01/01/1995

Discurso de posse na Academia Carioca de Letras
1993

HOMENAGEM PÓSTUMA AO POETA CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
18/08/1987

Presença da Espanha
15/04/1985

Tancredo Neves, o Estadista
24/03/1985

Um homem público exemplar (Gustavo Capanema)
12/03/1985

HOMENAGEM PÓSTUMA A ALVARO AMERICANO
10/07/1984

Por Admiração e Respeito (Sobral Pinto)
08/11/1983

Alceu Amoroso Lima, homem símbolo
16/08/1983

Getúlio Vargas
28/04/1983

O sentido da história
13/01/1982

Francisco Negrão de Lima, o amigo maior
29/09/1981

Palavras de um Paraninfo
22/07/1981

A validade da ciência social
09/03/1981

Uma figura legendária (José Américo)
11/03/1980

Um jurista incomparável (Pontes de Miranda)
05/02/1980

Um Ente Amado (Gilson Amado)
29/11/1979

O Sergipano Gilberto Amado
28/08/1979

Juscelino Kubitschek
24/08/1976

Honra ao Mérito (João Lyra Filho)
01/04/1976

Um Discípulo de Augusto Comte (Ivan Lins)
17/06/1975

Um Espírito de Múltiplas Facetas (Aliomar Baleeiro)
08/05/1975

Pensamento econômico do século XIX - painel do século XIX
01/05/1972

O fulgurante Agripino
15/10/1968

Criação, na Guanabara, da Secretaria de Ciência e Tecnologia
1967

Lembrança de Raymundo Britto