O Estilo Político de Carlos Lacerda
Humberto Braga

Lacerda, na idade madura, já se afastara doutrinariamente da ideologia comunista que o atraíra na juventude. Mas, não abandonou a implacável tática stalinista que consistia em tentar, por quaisquer meios ao seu alcance, destruir moralmente os adversários políticos. A questão da veracidade ou não de suas acusações lhe era indiferente. Não vacilava em chamar de corrupto um antagonista cuja honradez ele mesmo reconhecera, antes, publicamente. Isso aconteceu várias vezes.
Democracia é, sobretudo, acatamento às regras do jogo estabelecidas nas Constituições e nas leis. Lacerda, quando derrotado, pregava e pedia – clamorosa e insistentemente – a violação daquelas regras que anteriormente aceitara. Isso é confirmado pela evidência dos fatos e pelo testemunho dos seus antigos correligionários (Veja-se, por exemplo, o livro Mirante de Afonso Arinos Filho). Regras do jogo nada valiam para ele. Sempre que perdia queria virar a mesa. Era, pois, de fato, um inimigo irreconciliável da democracia. Nas suas campanhas moralistas jamais pretendeu derrotar nas urnas os governos que combatia e sim derrubá-los. E as suas denúncias quase nunca apontavam para erros econômicos, distorções sociais, falhas administrativas etc., e sim – predominante e obstinadamente – para o alvo da corrupção, fosse esta ou não uma realidade. Sabia que aquele era um ponto letal, particularmente sensível para os círculos militares com os quais mantinha estreito contato. E ele queria mais comover do que convencer.
Impressionante na personalidade do grande líder, que inegavelmente foi Carlos Lacerda, era o absoluto desprezo que sentia pelos seus adoradores. Durante muitos anos acoimou Juscelino e Jango de corruptos e bramiu contra a posse deles na Presidência da República, tal como fizera antes contra a de Vargas e faria depois contra a de Negrão de Lima no Governo da Guanabara. Todavia, quando lhe pareceu conveniente, foi a Lisboa e a Montevidéu confraternizar publicamente. com aqueles dantes malsinados contendores. Dessa iniciativa não se dignou dar qualquer explicação ou justificativa aos seus apaixonados admiradores. Tinha a certeza de que eles o seguiriam docilmente fosse qual fosse seu rumo. Quem divergisse incorreria em pecado mortal. Por isso, com frequência e em dificuldade, agredia os próprios partidários eminentes (poucos escaparam dos seus ataques invariavelmente injuriosos) e não se preocupava sequer em aparentar coerência. Foi o maior inspirador do golpe de 64 e acabou proscrito por aqueles que antes eram seus adeptos entusiastas.
A rumorosa trajetória lacerdista trouxe duas nefastas contribuições para a vida pública nacional. A primeira foi o maniqueísmo político. Os antagonismos partidários eram apresentados como luta do Bem contra o Mal. Os correligionários (enquanto submissos à sua liderança) eram puros, dignos, imaculados. Os adversários: uma quadrilha de bandidos saqueadores do país.
A segunda contribuição foi a tremenda carga de ódio e de fúria transmitida aos seus idólatras. Numa carta pública, D. Helder Câmara, comentou, estarrecido, como mansas e carinhosas avós se punham a falar em matar, fuzilar, massacrar, abrasadas pela pregação lacerdista. Hoje, de quando em quando, surgem irrupções de neo-lacerdismo. Mas, elas não têm o poder de fogo do seu antigo comandante.
Enfim, pela sua genialidade verbal e sua combatividade feroz, Carlos Lacerda foi o mais temível gladiador da arena política brasileira.

15/05/2009

 
artigos | discursos | sobre HB
Política externa – esta desconhecida
04/10/2012

Depois do Julgamento
28/06/2012

Algumas imprevisíveis alianças políticas
22/06/2012

Mundos apartados
30/03/2012

Direita e esquerda
05/03/2012

O senhor Merval Pereira, em artigo no O Globo de 9/9/11
19/10/2011

Os fins e os meios na política
15/07/2011

A Sonhática
01/07/2011

Respostas às críticas ao artigo “Moralismo Antidemocrático”, publicado na Internet, em vários sites
15/05/2011

Moralismo antidemocrático
01/05/2011

A Constituição e a Lei da Ficha Limpa
15/04/2011

Problema jurídico e político
10/01/2011

Declínio e queda do comunismo
19/11/2010

Exemplos de ação e omissão na política
01/10/2010

Alternância de poder
09/09/2010

História para principiantes
30/08/2010

Americanismo e antiamericanismo
16/08/2010

Ética na política
09/04/2010

Erros de visão em história e sociologia
01/01/2010

A ascenção do Individualismo
01/09/2009

História teimosa
01/09/2009

O Estilo Político de Carlos Lacerda
15/05/2009

Moralidade e Política
2009

Erros de visão em história e sociologia
2009

Carta a um amigo
2009

Bárbaros
13/10/2008

Tropel dos Bárbaros
2008

Caymmi, um gênio da raça
21/08/2008

O Tribunal de Contas e a Moralidade
05/06/2008

Preconceito
31/12/2007

Juscelino e a Revolução de 64
2007

Alguns aspectos positivos do Governo Lula
23/10/2006

Moralidade e Política
21/08/2006

A Vida depois da Morte
2006

O General da Reabertura
24/11/2003

Guerra e crime
21/04/2003

Alguns Comentários sobre Literatura
2002

Tortura e terrorismo
19/03/2001

A viagem e a morte
17/02/1997

O Mago no Trânsito
1997

Nelson Carneiro, o homem público
28/03/1996

Prefácio do livro de Julieta Wendhausen de Carvalho Gomes
06/09/1993

Homenagem a Ulysses Guimarães
01/03/1993

Vicissitudes do moralismo
13/03/1992

Quem traiu?
01/10/1991

A esquerda viável
30/07/1991

A miragem neoliberal
29/12/1990

Passagem pela Índia
24/12/1989

França e Rússia: duas revoluções
25/07/1989

Estabilidade e efetivação
26/11/1988

Do sonho à quimera
28/06/1988

A abertura soviética
06/08/1987

Que é uma Constituição
21/03/1987

As Megalópoles e sua tragédia
20/08/1986

O extremismo na política
18/11/1985

Pessimismo em alta
23/09/1985

Excessos de defesa da democracia
01/08/1985

A China pós-maoísta
12/12/1984

João Figueiredo em toda a sua glória
06/12/1984

O homem da pasta negra
04/12/1984

Doutor Tancredo
30/11/1984

Bolivar e o destino da América Latina
02/09/1984

A ONU é insubstituível
22/01/1984

No centenário do nascimento de Keynes e Schumpeter
01/12/1983

Ainda o problema da violência
29/04/1983

Gandhi e a não-violência
21/03/1983

Esperando os Bárbaros
02/02/1983

A encruzilhada das Cortes de Contas
02/12/1982

Diagnóstico da Direita VI
01/12/1982

Diagnóstico da Direita V
27/11/1982

Diagnóstlco da Direita IV
17/11/1982

Diagnóstico da Direita III
15/10/1982

Diagnóstico da Direita II
08/10/1982

Diagnóstico da Direita I
22/09/1982

A importância de "Os Sertões"
01/09/1982

Saber e poder
28/07/1982

Líderes e heróis no banco dos réus
10/03/1982

A possibilidade de progresso moral
27/12/1981

Wagner, Israel e a intolerância religiosa
27/11/1981

Lições da China
14/04/1981

A prevenção de um crime
11/02/1981

O cinquentenário da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Rio de Janeiro
01/08/1980

A prevenção de um crime
10/03/1980

Os trinta anos da Revolução Chinesa
01/10/1979

Ligeiros arranhões na púrpura imperial
22/01/1976

A técnica: vitorias e perigos
01/01/1972

O julgamento de Otelo
21/12/1971

O destino da livre iniciativa
01/08/1970

Perspectivas psiquiátricas
01/01/1970

Paisagem
1970

Psicogenese e psicopatologia da esterilidade involuntária
01/12/1966

A personalidade humana e a maturidade mental
Relembrando antigas lições
O conhecimento histórico
Adam Smith e o seu tempo
Mandato criminal