Mundos apartados
Humberto Braga

Tive dois amigos, muito talentosos e de vasta cultura, que me confessaram sua falta de disposição para a leitura ordenada de “Em Busca do Tempo Perdido”, a monumental obra de Marcel Proust. Limitaram-se à apreciação de alguns trechos.

Qual a razão desse distanciamento intelectual? Proust não é um escritor polêmico, não suscita controvérsias políticas ou religiosas. Talvez se deva atentar nos centros pessoais de atividades e interesses dos leitores.

Qual o público ledor de Proust? Eu o vejo como um escritor para as elites intelectuais, amantes da ficção literária, seduzidas pelo seu inigualável conhecimento das complexidades psicológicas, sua técnica revolucionária de narrativa, a beleza do seu estilo. Será possível um cultor das letras não admirar Proust? Às vezes acontecem aberrações desse gênero: Tolstoi detestava Shakespeare!

Mas (de um modo geral), em outra categoria de intelectuais, os cientistas sociais (sociólogos, economistas, politicólogos, juristas, etc.), Proust não tem a mesma acolhida. O motivo é claro: Ele não se ocupou do objeto do maior interesse deles: os fatos sociais, isto é, fatos próprios da coletividade humana e que, portanto, transcendem a singularidade individual. Todos sabem que o mundo social, manifesto em esferas como a econômica, a política, a religiosa, etc., preexiste e sobrevive a cada um dos indivíduos.

Um romancista alienar-se da apreciação de fatos sociais não é incapacidade e sim uma voluntária limitação do campo literário.

Veja-se o grande Machado de Assis. Já outros provocaram debates entre sociólogos, pensadores políticos e historiadores. São exemplos Tolstoi, Dostoievski, Balzac, Dickens, etc. Escritores desse gênero nem sempre atacaram instituições ou propuseram mudanças estruturais. Balzac, o primeiro romancista sociólogo, era um saudosista da antiga monarquia e Dostoievski foi sabotado na União Soviética devido a seu reacionarismo, Eça de Queiroz se mostrou impiedoso na crítica a algumas realidades sociais de seu país e essa foi a orientação dos romancistas regionais brasileiros.

Talvez aí esteja a explicação para o caso daqueles amigos que, embora reconhecendo a extraordinária lucidez das observações e reflexões proustianas, não sentiam ressonância delas em suas concepções, especulações e preocupações intelectuais. As iluminações do mundo de Proust se amorteciam no mundo cultural deles.

30/03/2012

 
artigos | discursos | sobre HB
Política externa – esta desconhecida
04/10/2012

Depois do Julgamento
28/06/2012

Algumas imprevisíveis alianças políticas
22/06/2012

Mundos apartados
30/03/2012

Direita e esquerda
05/03/2012

O senhor Merval Pereira, em artigo no O Globo de 9/9/11
19/10/2011

Os fins e os meios na política
15/07/2011

A Sonhática
01/07/2011

Respostas às críticas ao artigo “Moralismo Antidemocrático”, publicado na Internet, em vários sites
15/05/2011

Moralismo antidemocrático
01/05/2011

A Constituição e a Lei da Ficha Limpa
15/04/2011

Problema jurídico e político
10/01/2011

Declínio e queda do comunismo
19/11/2010

Exemplos de ação e omissão na política
01/10/2010

Alternância de poder
09/09/2010

História para principiantes
30/08/2010

Americanismo e antiamericanismo
16/08/2010

Ética na política
09/04/2010

Erros de visão em história e sociologia
01/01/2010

A ascenção do Individualismo
01/09/2009

História teimosa
01/09/2009

O Estilo Político de Carlos Lacerda
15/05/2009

Moralidade e Política
2009

Erros de visão em história e sociologia
2009

Carta a um amigo
2009

Bárbaros
13/10/2008

Tropel dos Bárbaros
2008

Caymmi, um gênio da raça
21/08/2008

O Tribunal de Contas e a Moralidade
05/06/2008

Preconceito
31/12/2007

Juscelino e a Revolução de 64
2007

Alguns aspectos positivos do Governo Lula
23/10/2006

Moralidade e Política
21/08/2006

A Vida depois da Morte
2006

O General da Reabertura
24/11/2003

Guerra e crime
21/04/2003

Alguns Comentários sobre Literatura
2002

Tortura e terrorismo
19/03/2001

A viagem e a morte
17/02/1997

O Mago no Trânsito
1997

Nelson Carneiro, o homem público
28/03/1996

Prefácio do livro de Julieta Wendhausen de Carvalho Gomes
06/09/1993

Homenagem a Ulysses Guimarães
01/03/1993

Vicissitudes do moralismo
13/03/1992

Quem traiu?
01/10/1991

A esquerda viável
30/07/1991

A miragem neoliberal
29/12/1990

Passagem pela Índia
24/12/1989

França e Rússia: duas revoluções
25/07/1989

Estabilidade e efetivação
26/11/1988

Do sonho à quimera
28/06/1988

A abertura soviética
06/08/1987

Que é uma Constituição
21/03/1987

As Megalópoles e sua tragédia
20/08/1986

O extremismo na política
18/11/1985

Pessimismo em alta
23/09/1985

Excessos de defesa da democracia
01/08/1985

A China pós-maoísta
12/12/1984

João Figueiredo em toda a sua glória
06/12/1984

O homem da pasta negra
04/12/1984

Doutor Tancredo
30/11/1984

Bolivar e o destino da América Latina
02/09/1984

A ONU é insubstituível
22/01/1984

No centenário do nascimento de Keynes e Schumpeter
01/12/1983

Ainda o problema da violência
29/04/1983

Gandhi e a não-violência
21/03/1983

Esperando os Bárbaros
02/02/1983

A encruzilhada das Cortes de Contas
02/12/1982

Diagnóstico da Direita VI
01/12/1982

Diagnóstico da Direita V
27/11/1982

Diagnóstlco da Direita IV
17/11/1982

Diagnóstico da Direita III
15/10/1982

Diagnóstico da Direita II
08/10/1982

Diagnóstico da Direita I
22/09/1982

A importância de "Os Sertões"
01/09/1982

Saber e poder
28/07/1982

Líderes e heróis no banco dos réus
10/03/1982

A possibilidade de progresso moral
27/12/1981

Wagner, Israel e a intolerância religiosa
27/11/1981

Lições da China
14/04/1981

A prevenção de um crime
11/02/1981

O cinquentenário da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Rio de Janeiro
01/08/1980

A prevenção de um crime
10/03/1980

Os trinta anos da Revolução Chinesa
01/10/1979

Ligeiros arranhões na púrpura imperial
22/01/1976

A técnica: vitorias e perigos
01/01/1972

O julgamento de Otelo
21/12/1971

O destino da livre iniciativa
01/08/1970

Perspectivas psiquiátricas
01/01/1970

Paisagem
1970

Psicogenese e psicopatologia da esterilidade involuntária
01/12/1966

A personalidade humana e a maturidade mental
Relembrando antigas lições
O conhecimento histórico
Adam Smith e o seu tempo
Mandato criminal