Direita e esquerda
Humberto Braga

A igualdade social é um horizonte, portanto inatingível. Toda sociedade de estrutura complexa é organizada hierarquicamente. Não se trata de diferenças individuais e sim de inevitável estratificação social em dirigentes e dirigidos. O poder é sempre apanágio de uma minoria, isto é, de uma elite. A História, como disse Pareto, é um cemitério de elites: o patriciado romano, o baronato feudal, a nobreza nas antigas monarquias, etc. Mas, se as elites passam, sempre haverá uma elite. É certo que na história ocidental a desigualdade social se reduziu. Ela era maior entre senhores e escravos, na Antiguidade, do que entre barões e servos, na Idade Média, e, esta, maior do que a existente entre capitalistas e proletários, nos tempos modernos.
Nas sociedades de estrutura complexa, quando emergem os antagonismos de interesses entre os diversos segmentos que as compõem, existem, necessariamente, a direita e a esquerda. Escrevi, no passado, que a esquerda é um movimento e a direita é uma situação. Mas, só é esquerdista o movimento que se propuser a combater desigualdades sociais. O nazi-fascismo foi um grande movimento de direita, já que repudiava o próprio ideal de igualdade social. Tradicionalmente, a direita, elitista, é conservadora (manutenção do status quo) ou reacionária (retorno ao passado próximo). A esquerda pode ser revolucionária ou reformista. Comunismo e nazi-fascismo foram modalidades extremadas de esquerda e direita. Mas, estas são legítimas e inevitáveis. Sempre existiram nas sociedades complexas. Essa oposição, pacífica ou violenta, foi um fator crucial na História.
Em Roma, Cesar, estava à esquerda de Catão e de Cícero, preclaros defensores dos privilégios do patriciado. Todavia, pugnar pela redução ou abolição de uma determinada desigualdade social não implica pretender a implantação da igualdade. Cesar nunca propôs suprimir a escravidão que era o meio de produção na sua época.
O programa econômico não é um dado seguro para distinguir essas orientações políticas. Na Revolução Francesa, os monarquistas (direita da época) sustentavam o controle da economia pelo Estado, enquanto os revolucionários (esquerda da época) pregavam a liberdade econômica. Hoje a situação se modificou: é a direita que condena a intervenção do Estado na economia, ao passo que a esquerda a reclama. Nem sempre há uma relação direta entre interesse econômico e posição política. O apoio decisivo aos nazistas não foi dado pelos grandes proprietários e sim pelas classes médias. Não me parece correto dizer que alguém é da direita ou da esquerda. Mais apropriado seria afirmar: A está à direita ou à esquerda de B. Assim, o critério é o de relação. Realmente a posição política é uma questão de configuração histórica. Conforme a conjuntura, as posições podem inverter-se: o esquerdista de ontem se transformar no direitista de hoje e vice-versa. Daí, alguns cépticos concluírem que a esquerda, no poder, tende a “endireitar-se”. Mas, também, alguns governantes de ostensiva mentalidade direitista (apreço às elites, desprezo pelas massas, ordem muito acima da justiça) promoveram, objetivamente, mudanças esquerdistas. Exemplos: Napoleão, ao romper as relações feudais na Europa sob seu domínio, ou Bismarck ao instituir a primeira legislação social do Ocidente.
No largo espectro da esquerda, o marxismo foi a mais elaborada e prestigiosa corrente ideológica. Surgiu no mundo industrial do século XIX como crítica do sistema capitalista.Na interpretação da História, o marxismo se baseia no materialismo filosófico: primado dos fatores objetivos (sociais e econômicos). Já a direita, de um modo geral, se inspira na filosofia idealista: predominância dos fatores subjetivos (ideias, crenças, ação dos grandes indivíduos, etc.).
Marx previu uma sociedade sem classes e, portanto, sem conflitos sociais. Mas, a História não confirmou a sua profecia. Toda sociedade complexa é inevitavelmente conflituosa. A democracia busca a resolução pacífica dos conflitos e nela a maioria ora pende para a direita, ora para a esquerda. A ditadura pretende abafar os antagonismos sociais pela força.

05/03/2012

 
artigos | discursos | sobre HB
Política externa – esta desconhecida
04/10/2012

Depois do Julgamento
28/06/2012

Algumas imprevisíveis alianças políticas
22/06/2012

Mundos apartados
30/03/2012

Direita e esquerda
05/03/2012

O senhor Merval Pereira, em artigo no O Globo de 9/9/11
19/10/2011

Os fins e os meios na política
15/07/2011

A Sonhática
01/07/2011

Respostas às críticas ao artigo “Moralismo Antidemocrático”, publicado na Internet, em vários sites
15/05/2011

Moralismo antidemocrático
01/05/2011

A Constituição e a Lei da Ficha Limpa
15/04/2011

Problema jurídico e político
10/01/2011

Declínio e queda do comunismo
19/11/2010

Exemplos de ação e omissão na política
01/10/2010

Alternância de poder
09/09/2010

História para principiantes
30/08/2010

Americanismo e antiamericanismo
16/08/2010

Ética na política
09/04/2010

Erros de visão em história e sociologia
01/01/2010

A ascenção do Individualismo
01/09/2009

História teimosa
01/09/2009

O Estilo Político de Carlos Lacerda
15/05/2009

Moralidade e Política
2009

Erros de visão em história e sociologia
2009

Carta a um amigo
2009

Bárbaros
13/10/2008

Tropel dos Bárbaros
2008

Caymmi, um gênio da raça
21/08/2008

O Tribunal de Contas e a Moralidade
05/06/2008

Preconceito
31/12/2007

Juscelino e a Revolução de 64
2007

Alguns aspectos positivos do Governo Lula
23/10/2006

Moralidade e Política
21/08/2006

A Vida depois da Morte
2006

O General da Reabertura
24/11/2003

Guerra e crime
21/04/2003

Alguns Comentários sobre Literatura
2002

Tortura e terrorismo
19/03/2001

A viagem e a morte
17/02/1997

O Mago no Trânsito
1997

Nelson Carneiro, o homem público
28/03/1996

Prefácio do livro de Julieta Wendhausen de Carvalho Gomes
06/09/1993

Homenagem a Ulysses Guimarães
01/03/1993

Vicissitudes do moralismo
13/03/1992

Quem traiu?
01/10/1991

A esquerda viável
30/07/1991

A miragem neoliberal
29/12/1990

Passagem pela Índia
24/12/1989

França e Rússia: duas revoluções
25/07/1989

Estabilidade e efetivação
26/11/1988

Do sonho à quimera
28/06/1988

A abertura soviética
06/08/1987

Que é uma Constituição
21/03/1987

As Megalópoles e sua tragédia
20/08/1986

O extremismo na política
18/11/1985

Pessimismo em alta
23/09/1985

Excessos de defesa da democracia
01/08/1985

A China pós-maoísta
12/12/1984

João Figueiredo em toda a sua glória
06/12/1984

O homem da pasta negra
04/12/1984

Doutor Tancredo
30/11/1984

Bolivar e o destino da América Latina
02/09/1984

A ONU é insubstituível
22/01/1984

No centenário do nascimento de Keynes e Schumpeter
01/12/1983

Ainda o problema da violência
29/04/1983

Gandhi e a não-violência
21/03/1983

Esperando os Bárbaros
02/02/1983

A encruzilhada das Cortes de Contas
02/12/1982

Diagnóstico da Direita VI
01/12/1982

Diagnóstico da Direita V
27/11/1982

Diagnóstlco da Direita IV
17/11/1982

Diagnóstico da Direita III
15/10/1982

Diagnóstico da Direita II
08/10/1982

Diagnóstico da Direita I
22/09/1982

A importância de "Os Sertões"
01/09/1982

Saber e poder
28/07/1982

Líderes e heróis no banco dos réus
10/03/1982

A possibilidade de progresso moral
27/12/1981

Wagner, Israel e a intolerância religiosa
27/11/1981

Lições da China
14/04/1981

A prevenção de um crime
11/02/1981

O cinquentenário da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Rio de Janeiro
01/08/1980

A prevenção de um crime
10/03/1980

Os trinta anos da Revolução Chinesa
01/10/1979

Ligeiros arranhões na púrpura imperial
22/01/1976

A técnica: vitorias e perigos
01/01/1972

O julgamento de Otelo
21/12/1971

O destino da livre iniciativa
01/08/1970

Perspectivas psiquiátricas
01/01/1970

Paisagem
1970

Psicogenese e psicopatologia da esterilidade involuntária
01/12/1966

A personalidade humana e a maturidade mental
Relembrando antigas lições
O conhecimento histórico
Adam Smith e o seu tempo
Mandato criminal