Os fins e os meios na política
Humberto Braga

A autoria da conhecida máxima “os fins justificam os meios” é atribuída por muitos a Maquiavel. Todavia ela não consta dos livros nos quais ele separou a política da moral. Outros a imputam aos teóricos marxistas, mas também ela não é encontrada nos escritos de Marx, Engels ou Lenin. Contudo, bem antes destes, essa paternidade já fora conferida aos jesuítas. Realmente o primeiro documento relevante, onde se lê um enunciado bem próximo daquele princípio é o tratado “Medulla theologiae moralis”, publicado em 1645, da autoria do famoso teólogo jesuíta Hermann Busembaum. Nele se lê: “Cum finis est licitae, etiam media sunt licita” (Quando o fim é bom, também são os meios”). O livro de Busembaum foi aprovado pela Igreja, apoiado por outros teólogos da sua ordem e, em menos de um século, teve mais de 200 edições. Suscitou severas críticas dos protestantes. Mas o comunista Trotski, no seu conhecido livro “Nossa moral e a deles”, defendeu os jesuítas desses ataques. Realçou que, para os discípulos de Loyola, o meio considerado em si mesmo, pode ser insignificante; a sua justificação ou condenação moral depende do que se procura alcançar... E exemplifica: “um tiro de arma de fogo é, em si um fato sem importância: disparado sobre um cão raivoso que tenta morder uma criança é um ato louvável, disparado para matar um ser humano é um crime” (Leon Trotski, Nossa moral e a deles, p. 9). Portanto, o importante é justificar o fim.

A moral política defendida pelos bolchevistas é a de classe. Eles repudiam a questão formulada em termos abstratos. Então, concretamente, todos os meios eficazes para a revolução proletária são bons.

Se nos ativermos à historiagrafia política, caberia uma pesquisa sobre quais os seus grandes protagonistas que abandonaram objetivos prioritários porque os meios necessários para alcançá-los feriam suas convicções morais. Não será uma fácil tarefa.

A ética do cristianismo assenta, sobretudo, no princípio da não violência (não fazer mal ao próximo). Todavia, a instituição suprema dessa religião, a Igreja Católica, criou a inquisição e aprovou seus métodos. Isso foi feito com o pretexto de combater o “mal maior” da heresia. E pretextos não faltaram para as guerras (matar nelas é glória), a escravidão, as tiranias, a tortura, as penas atrozes, etc.
Podemos citar exemplos conspícuos da utilização de quaisquer meios para atingir fins políticos.

Na Europa do século XVI imperava mortífera intolerância religiosa entre os cristãos católicos e protestantes. Basta lembrar as sangrentas Guerras de Religião, o massacre de São Bartolomeu, etc. Travou-se uma guerra de grandes proporções entre a França e a Espanha (ambas católicas), aguçada pela rivalidade pessoal entre seus soberanos , Francisco I e Carlos V. Naquele tempo o supremo mandamento ético para os crentes era o da obediência e respeito aos preceitos de suas respectivas igrejas. A França era considerada “a filha mais velha da Igreja Católica” e o seu rei tinha o título honorífico de “Sua Majestade Cristianíssima”. Esse monarca, quando se viu em dificuldades militares, não vacilou em aliar-se ao maior potentado muçulmano, o “infiel” Sultão Solimão da Turquia, arqui-inimigo da Cristandade. No século seguinte, o Cardeal Richelieu, então o verdadeiro dirigente da França, não hesitou em apoiar militarmente os príncipes alemães protestantes contra o imperador católico Habsburgo. Uma Razão de Estado impeliu aquele alto prelado a aliar-se aos “hereges” porque não admitia um grande Estado germânico na fronteira do seu país. Assim, descontentou a Igreja, ofendeu o Papa, mas revelou extraordinária presciência. Quando dois séculos depois, um poderoso Estado alemão se firmou na outra margem do Reno, a França sofreu as consequências em 1870, 1914 e 1940. A chamada Realpolitik, de que Bismarck foi o maior expoente, colocava inequivocamente a consecução dos grandes objetivos políticos ao largo de considerações de ordem ética ou sentimental.

Por fim: para aliviar uma guerra praticamente já vitoriosa, o governo cristão e democrático dos Estados Unidos ordenou o extermínio de mais de 200.000 civis de uma população indefesa, posto que não havia objetivos militares em Hiroshima e Nagasaki. Esse foi, talvez, em nosso tempo, o mais impressionante exemplo de consagração da máxima: “os fins justificam os meios”.

15/07/2011

 
artigos | discursos | sobre HB
Política externa – esta desconhecida
04/10/2012

Depois do Julgamento
28/06/2012

Algumas imprevisíveis alianças políticas
22/06/2012

Mundos apartados
30/03/2012

Direita e esquerda
05/03/2012

O senhor Merval Pereira, em artigo no O Globo de 9/9/11
19/10/2011

Os fins e os meios na política
15/07/2011

A Sonhática
01/07/2011

Respostas às críticas ao artigo “Moralismo Antidemocrático”, publicado na Internet, em vários sites
15/05/2011

Moralismo antidemocrático
01/05/2011

A Constituição e a Lei da Ficha Limpa
15/04/2011

Problema jurídico e político
10/01/2011

Declínio e queda do comunismo
19/11/2010

Exemplos de ação e omissão na política
01/10/2010

Alternância de poder
09/09/2010

História para principiantes
30/08/2010

Americanismo e antiamericanismo
16/08/2010

Ética na política
09/04/2010

Erros de visão em história e sociologia
01/01/2010

A ascenção do Individualismo
01/09/2009

História teimosa
01/09/2009

O Estilo Político de Carlos Lacerda
15/05/2009

Moralidade e Política
2009

Erros de visão em história e sociologia
2009

Carta a um amigo
2009

Bárbaros
13/10/2008

Tropel dos Bárbaros
2008

Caymmi, um gênio da raça
21/08/2008

O Tribunal de Contas e a Moralidade
05/06/2008

Preconceito
31/12/2007

Juscelino e a Revolução de 64
2007

Alguns aspectos positivos do Governo Lula
23/10/2006

Moralidade e Política
21/08/2006

A Vida depois da Morte
2006

O General da Reabertura
24/11/2003

Guerra e crime
21/04/2003

Alguns Comentários sobre Literatura
2002

Tortura e terrorismo
19/03/2001

A viagem e a morte
17/02/1997

O Mago no Trânsito
1997

Nelson Carneiro, o homem público
28/03/1996

Prefácio do livro de Julieta Wendhausen de Carvalho Gomes
06/09/1993

Homenagem a Ulysses Guimarães
01/03/1993

Vicissitudes do moralismo
13/03/1992

Quem traiu?
01/10/1991

A esquerda viável
30/07/1991

A miragem neoliberal
29/12/1990

Passagem pela Índia
24/12/1989

França e Rússia: duas revoluções
25/07/1989

Estabilidade e efetivação
26/11/1988

Do sonho à quimera
28/06/1988

A abertura soviética
06/08/1987

Que é uma Constituição
21/03/1987

As Megalópoles e sua tragédia
20/08/1986

O extremismo na política
18/11/1985

Pessimismo em alta
23/09/1985

Excessos de defesa da democracia
01/08/1985

A China pós-maoísta
12/12/1984

João Figueiredo em toda a sua glória
06/12/1984

O homem da pasta negra
04/12/1984

Doutor Tancredo
30/11/1984

Bolivar e o destino da América Latina
02/09/1984

A ONU é insubstituível
22/01/1984

No centenário do nascimento de Keynes e Schumpeter
01/12/1983

Ainda o problema da violência
29/04/1983

Gandhi e a não-violência
21/03/1983

Esperando os Bárbaros
02/02/1983

A encruzilhada das Cortes de Contas
02/12/1982

Diagnóstico da Direita VI
01/12/1982

Diagnóstico da Direita V
27/11/1982

Diagnóstlco da Direita IV
17/11/1982

Diagnóstico da Direita III
15/10/1982

Diagnóstico da Direita II
08/10/1982

Diagnóstico da Direita I
22/09/1982

A importância de "Os Sertões"
01/09/1982

Saber e poder
28/07/1982

Líderes e heróis no banco dos réus
10/03/1982

A possibilidade de progresso moral
27/12/1981

Wagner, Israel e a intolerância religiosa
27/11/1981

Lições da China
14/04/1981

A prevenção de um crime
11/02/1981

O cinquentenário da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Rio de Janeiro
01/08/1980

A prevenção de um crime
10/03/1980

Os trinta anos da Revolução Chinesa
01/10/1979

Ligeiros arranhões na púrpura imperial
22/01/1976

A técnica: vitorias e perigos
01/01/1972

O julgamento de Otelo
21/12/1971

O destino da livre iniciativa
01/08/1970

Perspectivas psiquiátricas
01/01/1970

Paisagem
1970

Psicogenese e psicopatologia da esterilidade involuntária
01/12/1966

A personalidade humana e a maturidade mental
Relembrando antigas lições
O conhecimento histórico
Adam Smith e o seu tempo
Mandato criminal