Respostas às críticas ao artigo “Moralismo Antidemocrático”, publicado na Internet, em vários sites
Humberto Braga

PRIMEIRA CRÍTICA

1) “A Constituição do Brasil é um biombo para proteção da corrupção dos políticos”
Resposta: O crítico não aponta os artigos da Constituição que protegem a corrupção. Evidentemente ele nunca leu e nem sequer viu a Carta Magna. Mas, na sua espessa ignorância, só pode estar clamando contra os Direitos e Garantias Fundamentais (arts. 5 a 17), que figuram nas Constituições de todos os países democráticos do mundo. Está implícita na crítica a convicção de que, na grande maioria, nossos políticos são corruptos. Escrevi no artigo “Ética na política”, no O Globo de 09/04/10: “Se isso fosse verdade, ou a atividade política neste país é intrinsecamente corruptora ou a sociedade brasileira de hoje é essencialmente corrupta”. Na primeira hipótese, é impossível extinguir a política, que é disputa pelo poder. Ela sempre se faz, nas democracias ou nas ditaduras, nos parlamentos ou nos quartéis, nas praças públicas ou nas antecâmaras dos potentados. Na segunda hipótese, não é possível trocar o “corrompido” povo brasileiro por outro “imaculado”.
Se o crítico tivesse um mínimo de informação histórica, saberia que a corrupção grassou em épocas não remotas, em países que ele considera politicamente modelares: Estados Unidos, França, Inglaterra, etc.
O ataque generalizado, indiscriminado, à atividade política é uma agressão estúpida ao regime democrático. Seus autores são saudosistas da noite ditatorial, em cuja sombra, na falta de denúncias públicas (censura) era fácil furtar com segurança e tranquilidade. Reproduzo aqui o que escrevi no meu artigo anterior: “Quem não sendo ditador, ama a ditadura, não é um cidadão, é um servo. Não merece repúdio e sim desprezo”.
Política é luta pelo poder que, na democracia, tem de travar-se no espaço da legalidade (regras do jogo). É um disparate pretender a regeneração moral da sociedade pela ação política. Não é função do Estado a reforma dos costumes e valores. Isso é tarefa para os pais, os educadores, os pregadores.
Os fins do governo democrático devem ser: o cumprimento da lei (o que exclui patrocínio da corrupção ou tolerância com ela), o respeito aos direitos e garantias fundamentais dos cidadãos, a segurança pública e a manutenção da ordem, a prosperidade econômica, a redução das desigualdades sociais, a eficiente administração dos serviços públicos, o incentivo e o amparo ao desenvolvimento educativo e cultural, a proteção ao meio ambiente e à saúde pública, a harmonia entre os poderes, a defesa nacional, etc. Mas, na paranóia “moralística”, esses fins são secundários. Presidente de República bom seria o que ficasse no palácio ordenando “Pega o ladrão!”. Probidade é pré-requisito fundamental para qualquer atividade pública ou privada, mas não pode ser o único mérito de um homem público.
A Constituição protege todos, bons ou maus. Corrupção é crime punível pelo Código Penal. É indigência mental querer a Carta Magna diferentemente aplicada, conforme os indivíduos em causa sejam supostamente bons ou maus. O mérito jurídico seria irrelevante... Casuísmo é a antítese da norma constitucional.
Se os críticos acham que o Código Penal não é suficiente para a punição dos corruptos, que, então, proponham novas leis. Mas estas não podem abolir os Direitos e Garantias Fundamentais estabelecidos na Constituição. Se isso acontecesse, os danos à segurança e às liberdades dos cidadãos seriam incalculavelmente maiores do que os decorrentes da presença de alguns calhordas em casas legislativas. Os Direitos e Garantias são cláusulas pétreas. Entendem muitos juristas que nem uma nova Constituição pode alterá-las sem prévia consulta popular. Sem elas não há democracia e sim a lei da selva ou o arbítrio da tirania. Se, por exemplo, fossem suprimidos os princípios constitucionais da presunção da inocência e da irretroatividade da lei penal, não haveria mais segurança para ninguém. Se amanhã uma lei estabelecesse que fumar é crime, um homem, que tivesse deixado esse hábito há anos, seria um criminoso.
Enxovalhar a Carta Magna do país, sem sequer ler os seus primeiros 17 artigos (Direitos e Garantias Fundamentais), é algo pior do que ignorância e estupidez. É irresponsabilidade moral.

SEGUNDA CRÍTICA

Seu autor diz que “nunca precisou da Constituição”. Ele não tem idéia da força contensora da Carta Magna. Não sabe que, sem ela, desapareceria a segurança jurídica de todos, portanto, inclusive a dele. Não sabe que, sem ela, ele, se tivesse a má sorte de desagradar a algum poderoso, este poderia, tranquilamente, mandar invadir sua casa, pilhar os seus bens, abusar como quisesse de seus familiares, moê-lo de pancadas e lançá-lo numa enxovia, sem possibilidade de reparação. Se o crítico não teme essa possibilidade, é porque jamais admitiu a hipótese de desagradar a algum poderoso, com ou sem Constituição. Assim, dispensa a proteção dela...

TERCEIRA CRÍTICA

“A Justiça brasileira não pune os corruptos”. Ele deveria apontar os elementos legais, materiais e humanos para a reforma, que julgar necessária, do poder judiciário. Naturalmente também indicando de onde viriam os recursos para esse objetivo.
É possível suprimir aquele poder, no Brasil ou no mundo? É fato que tribunais populares foram instituídos na Rússia Comunista, durante a Guerra Civil (1918-21), em Cuba, após a queda de Batista, etc. Esses “tribunais” não fizeram verdadeiros julgamentos e sim expurgos políticos sob o comando de governos. Seu objetivo era destruir o inimigo e não apuras culpas de crimes. Eram incompatíveis com o Estado de Direito. Os excessos na China durante a chamada Revolução Cultural, foram estimulados, dirigidos pelo Partido Comunista com finalidade ostensivamente política. Naquele país, o governo controla todas as importantes atividades públicas.
Dispensado o Judiciário só restaria um recurso extremo para combater a alegada impunidade: implantar o “terrorismo ético”, a cabo de Esquadrões da Morte para o linchamento dos supostos corruptos. Mas, se alguém reclamar essa providência “benemérita”, deve assumir a responsabilidade de, pessoalmente, organizar os grupos de extermínio moralizadores e participar de sua ação.

QUARTA CRÍTICA

“Fulano (um conhecido político) deveria estar na cadeia e não no Congresso”.
Talvez ele (o político) mereça a cadeia. Mas acontece que em nenhum país democrático do mundo a simples má reputação de um homem público é suficiente para a sua condenação judicial. Para isso é preciso uma coisa chamada prova. É um princípio milenar de Direito que todo homem é inocente até prova em contrário. Se se substituir o Direito pela força, pode dar-se o caso de, amanhã, o seu Fulano, investido de poder discricionário, meter na cadeia os que falam mal dele, a começar pelo crítico de agora.
O homem foi eleito pelo povo de seu Estado (Em cada pleito recebeu centenas de milhares de votos). Como impedir a eleição de indivíduos da espécie dele? Retirando do povo o direito de indicar seus mandatários? O povo está insuficientemente preparado e habilitado para isso? Quem então está suficientemente preparado e habilitado para substituí-lo? Vê-se bem que a paranóia “moralística” destila veneno antidemocrático. Ela quer acabar com o Estado de Direito para inaugurar o Reino da Virtude.

QUINTA CRÍTICA

“O senhor H.B. tem razão, juridicamente, mas, se eu fosse Ministro do STF, votaria pela inelegibilidade daqueles sujeitos impugnados”.
Este crítico não é obtuso e certamente é homem de bem, mas não poderia ser Ministro do Supremo porque coloca o seu respeitável sentimento pessoal acima da Constituição que os membros daquela Corte se comprometeram a defender.
A lei da Ficha Limpa tem propósito moralizador, mas, tal como foi aprovada no Congresso, abriria caminho para grandes abusos. No próprio ano eleitoral, uma eventual maioria legislativa poderia eliminar a candidatura de quem ela quisesse, criando as inelegibilidades que quisesse.
Cinco Ministros votaram pela constitucionalidade da lei. Devemos acreditar que foram motivados pelas suas convicções jurídicas e não pelo desejo de agradar à mídia.

15/05/2011

 
artigos | discursos | sobre HB
Política externa – esta desconhecida
04/10/2012

Depois do Julgamento
28/06/2012

Algumas imprevisíveis alianças políticas
22/06/2012

Mundos apartados
30/03/2012

Direita e esquerda
05/03/2012

O senhor Merval Pereira, em artigo no O Globo de 9/9/11
19/10/2011

Os fins e os meios na política
15/07/2011

A Sonhática
01/07/2011

Respostas às críticas ao artigo “Moralismo Antidemocrático”, publicado na Internet, em vários sites
15/05/2011

Moralismo antidemocrático
01/05/2011

A Constituição e a Lei da Ficha Limpa
15/04/2011

Problema jurídico e político
10/01/2011

Declínio e queda do comunismo
19/11/2010

Exemplos de ação e omissão na política
01/10/2010

Alternância de poder
09/09/2010

História para principiantes
30/08/2010

Americanismo e antiamericanismo
16/08/2010

Ética na política
09/04/2010

Erros de visão em história e sociologia
01/01/2010

A ascenção do Individualismo
01/09/2009

História teimosa
01/09/2009

O Estilo Político de Carlos Lacerda
15/05/2009

Moralidade e Política
2009

Erros de visão em história e sociologia
2009

Carta a um amigo
2009

Bárbaros
13/10/2008

Tropel dos Bárbaros
2008

Caymmi, um gênio da raça
21/08/2008

O Tribunal de Contas e a Moralidade
05/06/2008

Preconceito
31/12/2007

Juscelino e a Revolução de 64
2007

Alguns aspectos positivos do Governo Lula
23/10/2006

Moralidade e Política
21/08/2006

A Vida depois da Morte
2006

O General da Reabertura
24/11/2003

Guerra e crime
21/04/2003

Alguns Comentários sobre Literatura
2002

Tortura e terrorismo
19/03/2001

A viagem e a morte
17/02/1997

O Mago no Trânsito
1997

Nelson Carneiro, o homem público
28/03/1996

Prefácio do livro de Julieta Wendhausen de Carvalho Gomes
06/09/1993

Homenagem a Ulysses Guimarães
01/03/1993

Vicissitudes do moralismo
13/03/1992

Quem traiu?
01/10/1991

A esquerda viável
30/07/1991

A miragem neoliberal
29/12/1990

Passagem pela Índia
24/12/1989

França e Rússia: duas revoluções
25/07/1989

Estabilidade e efetivação
26/11/1988

Do sonho à quimera
28/06/1988

A abertura soviética
06/08/1987

Que é uma Constituição
21/03/1987

As Megalópoles e sua tragédia
20/08/1986

O extremismo na política
18/11/1985

Pessimismo em alta
23/09/1985

Excessos de defesa da democracia
01/08/1985

A China pós-maoísta
12/12/1984

João Figueiredo em toda a sua glória
06/12/1984

O homem da pasta negra
04/12/1984

Doutor Tancredo
30/11/1984

Bolivar e o destino da América Latina
02/09/1984

A ONU é insubstituível
22/01/1984

No centenário do nascimento de Keynes e Schumpeter
01/12/1983

Ainda o problema da violência
29/04/1983

Gandhi e a não-violência
21/03/1983

Esperando os Bárbaros
02/02/1983

A encruzilhada das Cortes de Contas
02/12/1982

Diagnóstico da Direita VI
01/12/1982

Diagnóstico da Direita V
27/11/1982

Diagnóstlco da Direita IV
17/11/1982

Diagnóstico da Direita III
15/10/1982

Diagnóstico da Direita II
08/10/1982

Diagnóstico da Direita I
22/09/1982

A importância de "Os Sertões"
01/09/1982

Saber e poder
28/07/1982

Líderes e heróis no banco dos réus
10/03/1982

A possibilidade de progresso moral
27/12/1981

Wagner, Israel e a intolerância religiosa
27/11/1981

Lições da China
14/04/1981

A prevenção de um crime
11/02/1981

O cinquentenário da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Rio de Janeiro
01/08/1980

A prevenção de um crime
10/03/1980

Os trinta anos da Revolução Chinesa
01/10/1979

Ligeiros arranhões na púrpura imperial
22/01/1976

A técnica: vitorias e perigos
01/01/1972

O julgamento de Otelo
21/12/1971

O destino da livre iniciativa
01/08/1970

Perspectivas psiquiátricas
01/01/1970

Paisagem
1970

Psicogenese e psicopatologia da esterilidade involuntária
01/12/1966

A personalidade humana e a maturidade mental
Relembrando antigas lições
O conhecimento histórico
Adam Smith e o seu tempo
Mandato criminal